Quem não é visto não é lembrado: Sua clínica está no Guia Hospital+?

26 de setembro de 2016
Você se lembra qual foi a última marca que você viu hoje? E a primeira? Talvez você consiga puxar na memória algumas mais expostas em grandes outdoors que estavam no seu caminho, outras com um jingle mais marcante que tocou no rádio, ou até mesmo você reparou na marca da bolsa de algum paciente. São dezenas de marcas que cruzam os nossos caminhos todos os dias, mas que nem sempre o nosso cérebro consegue registrar todas elas. No meio dessa imensa quantidade de informações que dividem a nossa atenção, você já se perguntou como a sua clínica é percebida pelo seu paciente? A sua clínica é uma marca e você quanto profissional também! Para quem não é da área do marketing e comunicação esse tipo de afirmação pode soar de uma forma incompreendida. Mas sim, além de pensar na sua clínica como um negócio e em seus pacientes como clientes, também é preciso se preocupar na reputação da sua marca, quanto profissional e empresa, e criar maneiras para que ela se destaque meio a tantas outras, sejam da saúde ou não. Afinal, todas as marcas que o seu paciente se depara durante o dia estão disputando um lugar na memória dele. Estamos falando de marketing. Assim como empresas mais corporativas e comerciais separam uma parte do orçamento para investir em marketing e divulgação, empresas da área da saúde que buscam atrair mais pacientes também devem ter essa preocupação. Mas por que um estabelecimento de saúde deve investir em marketing? Por vários motivos. Na verdade, pode-se buscar alcançar diversos objetivos através dele, como por exemplo, proporcionar o conhecimento de marca entre o público-alvo, divulgar novas especialidades de atendimento, ganhar visibilidade em uma determinada região, entre outras maneiras de chamar a atenção do paciente para que se lembre de você nos momentos que precisar dos seus serviços. Com o avanço da tecnologia, novas pontes entre empresa e cliente se tornaram possíveis. Redes sociais, site, anúncios em sites de buscas, canais de vídeos, são apenas alguns dos meios digitais capazes de exercer essa função. Mas outras formas de se destacar e estar mais disponível para os seus pacientes, além dos meios mais básicos, também vão surgindo, como o aplicativo Guia de Saúde Hospital+. O Guia é um canal totalmente voltado para encontrar estabelecimentos de saúde e se tornou uma vitrine para clínicas, consultórios, farmácias, hospitais e laboratórios, possibilitando que essa conexão entre eles e seus clientes seja fortalecida. Mas afinal, o que é e como funciona o Guia de Saúde Hospital+? Assim como o nome já sugere, a ferramenta funciona como um guia para quem busca serviços de saúde em todo o território nacional. Atualmente funciona via aplicativo para smartphone, facilitando a pesquisa para o usuário em qualquer momento, independentemente do local que estiver. As buscas podem ser feitas pesquisando pelo nome do profissional, pela especialidade ou pela localização mais próxima do usuário. – “E o que precisa ser feito para que o meu estabelecimento esteja no Guia Hospital+? Quanto eu pago por isso?”

Minha clínica precisa de mais tecnologia?

12 de setembro de 2016
Sim e não. Como assim? Eu explico. Novos produtos e serviços são lançados constantemente através da tecnologia. Vemos fórmulas mágicas e ouvimos regras o tempo todo enaltecendo a importância de adotar a tecnologia para a evolução de negócios de todos os segmentos. Mas antes de dar um passo rumo à inovação é preciso determinar quais são os objetivos com essa aquisição. Se não houver nenhum objetivo coerente, que de fato seja importante para a sua clínica, a resposta para o título desse artigo é NÃO! Por outro lado, há incontáveis motivos para levar a tecnologia para dentro de um estabelecimento de saúde e, muitas vezes, os responsáveis por eles ainda não tomaram ciência de como soluções tecnológicas podem favorecer uma empresa. Portanto, se você tem objetivos claros ou quer entender mais como a tecnologia pode atuar dentro da sua clínica, a resposta é SIM e esse artigo pode ser muito útil. A tecnologia está em tudo, desde os meios de comunicação até os mais modernos equipamentos médicos. O tempo está cada vez mais escasso e, poder contar com algum tipo de auxilio que otimize o trabalho deverá ser sempre bem vindo. A produtividade da equipe, o atendimento médico, o agendamento do paciente, a fila de espera, todas essas situações podem ser melhoradas com a adoção de recursos tecnológicos. E, ao contrário do que algumas pessoas imaginam, nem sempre é preciso fazer grandes investimentos para implementar esse tipo de solução na rotina de um estabelecimento de saúde. Para os mais conservadores, “gastar” dinheiro com algo que pode ser solucionado como sempre foi, como o agendamento com caneta e papel , por exemplo, não faz muito sentido. Mas o que deve ser considerado não é somente como a sua clínica lida com isso, mas principalmente como os seus pacientes percebem essa não evolução. Se hoje as atividades cotidianas podem ser realizadas através do digital, contar que os serviços de saúde acompanhem essa evolução é o mínimo que o paciente espera. Afinal, ele pode comprar sem sair de casa, realizar atividades bancárias pelo celular, pedir comida sem ter que fazer uma ligação, mas para marcar uma consulta ou apenas para tirar uma dúvida, é preciso ligar muitas vezes até que a linha esteja desocupada, ou até mesmo, ir ao local e agendar presencialmente. A sua clínica pode estar satisfeita sem a presença da tecnologia, mas o seu paciente talvez não. O investimento em tecnologia tem que ter como base ser melhor para a vida das pessoas, isso inclui a clínica como um todo e, principalmente, os seus pacientes. Se você pensa em contratar vários serviços apenas para fazer parte da parcela de clínicas modernas, mas não tem essa ideia como objetivo principal, esqueça. Investir em tecnologia não irá solucionar nenhum problema e muito menos irá facilitar a vida das partes envolvidas. Além disso, a utilização de tecnologia pode trazer muitos outros benefícios, como: Garantir a sobrevivência no mercado – é preciso se reinventar e acompanhar os movimentos do mercado. Ficar parado no tempo

Tecnologia e comunicação: a combinação perfeita para a sua clínica

5 de setembro de 2016
Antes de começar esse artigo te convido para fazer uma reflexão: esqueça a sua posição de profissional da saúde por um instante e se coloque no lugar de consumidor. Onde você costuma fazer pesquisas de preços, locais, compras, atendimento e outros serviços e qual é o comportamento que espera que as empresas tenham com você? É muito provável, quase que certeiro, que em casos como esse você utiliza a internet ou outros aplicativos do seu celular para solucionar assuntos sobre quase tudo, não é mesmo? Assim também se comporta o seu paciente, em casos cotidianos e também quando busca informações voltadas à saúde. Tecnologia e comunicação: uma dupla que pode fazer muito pela sua clínica e manter um relacionamento mais próximo de seus clientes/pacientes, não só pelo fato de estarem em evidência, mas sim pela agilidade, organização e maturidade que podem agregar também a mercados que ainda não exploram muito esse advento, como pequenas clínicas e consultórios, por exemplo. Aos poucos, a evolução na comunicação em negócios da saúde tem acontecido. São inúmeros softwares e aplicativos médicos para simplificar o contato e a experiência do cliente no momento em que ele busca informações, serviços ou resolver suas necessidades no momento. A tecnologia está vivenciando uma crescente dentro desse mercado, cabe aos estabelecimentos entenderem como esses recursos podem ser favoráveis aos seus negócios e adotarem esse tipo de avanço efetivamente. Mas se existem tantas soluções que contribuem para que a tecnologia e comunicação sejam práticas ativas nesse meio, por que ainda encontramos resistência em alguns estabelecimentos? Existem muitos mitos que acabam inibindo a entrada de novos recursos em pequenas clínicas como a alta exposição do estabelecimento, a falta de confiança em novas soluções e até mesmo o medo de roubos das informações. De fato é preciso estar atento com algumas questões como essas para que a ideia de modernização e facilidade não se transforme em problemas futuros. Porém é importante não deixar que o medo do novo impeça o crescimento do negócio. O que a combinação da tecnologia e comunicação podem fazer pelo mercado de saúde? Voltando a posição de consumidor/paciente, é perfeitamente comum que a escolha por marcar uma consulta no consultório X ou Y envolva diversos fatores, entre eles a agilidade no momento de obter informações sobre o local, a facilidade em fazer o agendamento e a comunicação rápida e sem burocracia sem dúvida fazem diferença. Além disso, a tecnologia oferece condições para que a clínica construa um relacionamento sólido com os seus pacientes e a comunicação tem um importante papel nessa etapa, antecipando-se a necessidade do paciente e oferecendo diversos canais para que esse contato seja realizado sem maiores transtornos. Mas antes de investir em algum recurso tecnológico para fortalecer o relacionamento com o público, é preciso ter em mente que se a sua clínica não estiver preparada para ouvir e responder os questionamentos dos pacientes, parte desse investimento será jogado fora.  A comunicação em saúde deve ser uma via de mão dupla, onde pacientes e clínicas falam

[E-BOOK] Ferramentas para aumentar a produtividade dos seus talentos

22 de agosto de 2016
Chega de colocar a culpa na falta de tempo! É preciso otimizá-lo para desempenhar um bom trabalho sem desperdiçá-lo. Cada vez mais surgem tarefas de última hora que deixam as agendas de pernas para o ar. As obrigações de uma equipe de saúde são diversas e o desafio de cumpri-las dentro do período regular de trabalho é grande. Já fizemos um e-book sobre ferramentas que facilitam a produtividade da gestão de clínicas e consultórios. Agora a ideia é outra. Como contribuir para a produtividade do time? Baixe esse novo e-book e descubra como fazer parte da produtividade da sua equipe através de ferramentas que podem ajudar nessa missão.

Turnover – A rotatividade como vilã do mercado da saúde

15 de agosto de 2016
Você já ouviu falar em turnover? Talvez não por esse termo, mas acredito que você saiba muito bem o que significa. Turnover nada mais é que rotatividade de pessoal, para ser mais clara, é a constante substituição de funcionários dentro de uma empresa. Você pode se perguntar: “Por que essa alteração no quadro de funcionários é tão prejudicial para a minha clínica?”. Os motivos são muitos e, o problema maior é que nem todos os gestores têm ciência dessa gravidade. A alta rotatividade pode desaguar em grandes problemas como a perda de capital intelectual, perda de conexões com pacientes e fornecedores, perda de conhecimento técnico e tácito e até mesmo perda de mercado, sem falar nos altos custos gerados por ela. O fato de clínicas, consultórios e outros serviços do mercado da saúde não lidarem diretamente com o meio da gestão de negócios, muitas vezes, dificulta o entendimento da importância sobre assuntos como esse e, por isso, nem sempre recebem a atenção que merecem, não contribuindo com o crescimento do negócio. Um grande centro de saúde ou uma pequena clínica precisam de pessoas para operacionalizar os serviços. Sendo assim, o controle dessas contratações e desligamentos deve existir independentemente do tamanho da empresa. A gestão do turnover é uma chave muito importante para empresas de todos os segmentos, pois como sabemos, os consumidores (no nosso caso, os pacientes) estão cada vez mais exigentes e estão deixando de consumir serviços que não cumprem com o mínimo esperado por eles. Quando a conexão entre os colaboradores e os pacientes se perde com frequência, a confiança vai enfraquecendo e abrindo margens para que a concorrência se aproxime, ameaçando o funcionamento da sua clínica. A troca de funcionários não é de toda ruim, afinal, novos profissionais dentro da equipe proporcionam um movimento de mudança, renovam ideias e até mesmo transformam negócios. O problema está quando o turnover perde o controle e os desligamentos tornam-se maiores que o tempo de permanência de um funcionário dentro da empresa, trazendo consigo todos os malefícios apontados acima. Ao perder talentos, as operações da sua clínica ficam desequilibradas, deixando o seu público confuso e vulnerável para conhecer a concorrência. O fato é: turnover gera custos financeiros, de tempo e de recursos, além de outras perdas irreparáveis como a motivação e a produtividade do restante do time. Como evitar que o turnorver assombre a minha clínica? A gestão de rotatividade começa na contratação. Quais são os critérios que você utiliza para contratar novos parceiros de serviço? Antes de colocar um anúncio na entrada do seu estabelecimento para contratar uma nova secretária, tenha em mente qual perfil profissional e comportamental você deseja ter em seu time e não contrate ninguém apenas para cobrir buracos, esse tipo de atitude contribui, e muito, para uma alta taxa de turnover. Para que o desligamento de seus funcionários não seja sempre uma surpresa desagradável é preciso se manter atento e ter algumas atitudes que podem ajudar a diagnosticar os motivos da alta rotatividade e agir contra

[E-BOOK] Como guiar os seus talentos à missão da sua clínica

8 de agosto de 2016
Você já dever ter ouvido falar em missão, visão e valores, não é mesmo? Mas você sabe a real importância de ter uma missão bem desenvolvida e vivida na prática? Nem todas as empresas compreendem a verdadeira função de uma missão bem estruturada. Afinal, deixá-la exposta na parede do seu consultório definitivamente não é o seu cargo principal. Sabendo desse gargalo entre a teoria e a prática, fizemos um e-book focado nessa importância para que você comece a pensar estrategicamente a partir do conceito de missão da sua clínica e, caso ainda não tenha uma definição clara, possa aprender a elaborar a missão do seu negócio de maneira eficaz e que impacte positivamente no dia a dia da clínica.

Gestão de talentos e as pequenas clínicas – É possível?

1 de agosto de 2016
Não só é possível como indispensável! Por ser um termo relativamente novo e ser pouco difundido no mercado de saúde, a percepção de que a gestão de talentos é algo a ser aplicável apenas para grandes clínicas e instituições está totalmente destorcida. Uma pequena clínica deve ter a mesma preocupação em manter bons profissionais por perto para que o trabalho seja feito com a mesma qualidade que em estabelecimentos de maior porte, afinal, o paciente espera ser bem atendido independentemente do tamanho do local. Lembre-se: estamos falando da saúde dele! Por se tratar de negócios que faturam menos que grandes centros de saúde e não dispor de investimentos de brilhar os olhos, muitos profissionais se esquecem de separar parte dos recursos para dar uma atenção mais próxima aos colaboradores, o que pode ser considerado um grande equívoco. Já vimos por aqui que a gestão de talentos não é feita apenas de bonificações financeiras e que é possível valorizar um bom funcionário de outras formas que não necessariamente envolvam dinheiro e, por isso, torna-se viável também para pequenas clínicas. Se você possui uma clínica de pequeno porte ou trabalha em uma, responda: quantas vezes você já ouviu falar sobre gestão de talentos e o que você entende sobre isso? Se você leu alguns artigos anteriores aqui no Clínica de Sucesso ou baixou o nosso e-book sobre o tema, já deve ter entendido que ter as pessoas certas na sua equipe é um diferencial que poucas clínicas possuem. Mas a questão vai além. Não basta encontrar as pessoas certas, é preciso mantê-las por perto e fortalecer essa parceria e, para um estabelecimento que visa crescimento e busca conquistar uma fatia maior de mercado, essa relação de valorização deve ser amplamente sustentada. Uma peça de grande importância nesse trabalho é o amadurecimento da liderança. Em clínicas menores esse papel é feito muitas vezes pelo próprio gestor, que concentra suas principais experiências na área técnica e nem sempre conta com uma bagagem de liderança de equipe. Nesses casos, a gestão de talentos deve começar de cima. Ou seja, o primeiro passo para dar início a esse novo comportamento dentro da sua clínica é buscar meios de se preparar quanto líder para saber lidar com o time da melhor maneira, com o intuito de extrair o melhor de cada membro e valorizá-los por isso. Outro desafio que as pequenas clínicas enfrentam está relacionado com a percepção de que o crescimento profissional em uma empresa pequena é limitado. A veracidade dessa afirmação é relativa, pois depende da visão de negócio de cada gestor. É totalmente possível estruturar um plano de carreira para equipes enxutas, estimular a busca de conhecimento e oferecer momentos de aprendizagem no dia a dia, basta estar disposto a fazer parte do crescimento do seu pessoal e, consequentemente, da sua clínica. Quando um funcionário decide buscar outras oportunidades fora da clínica onde trabalha é preciso que a empresa esteja preparada para enfrentar os impactos dessa transição. Impactos esses que, se não forem calculados, poderão

4 dicas de retenção de talentos para a sua clínica

27 de julho de 2016
Sem pessoas qualificadas dificilmente um estabelecimento de saúde irá muito longe. No mercado, poucas coisas são realizáveis individualmente e, por isso, estruturar um bom time é fundamental para manter a sua clínica ativa. Atrair e contratar já são tarefas que exigem atenção e muita dedicação para que pessoas com o perfil desejado cheguem até você e queiram fazer parte da sua clínica. Porém, outra tarefa tão importante e igualmente (ou até mais) difícil é manter esses talentos por perto e motivados a continuar desempenhando um bom trabalho. É aí que entra a importância da retenção de talentos. Se você enfrenta dificuldades para reter bons profissionais, saiba que essa é uma realidade geral. Independentemente do porte ou segmento, cada vez mais, pessoas estão mudando de emprego em um intervalo menor de tempo, pois além de buscarem locais que ofereçam incentivos emocionais, também estão em busca de empregadores que proporcionem reais e consistentes possibilidades de crescimento e satisfação no que fazem. Mas você sabe quais são os reais impactos que a rotatividade de funcionários pode gerar em sua clínica? Saiba que não se importar com a retenção de talentos pode custar muito mais dinheiro do que muitos pensam. Para se ter uma ideia, substituir um funcionário especializado, por exemplo, poderá gerar um gasto para a sua clínica de até 4 vezes mais do que mantê-lo na equipe. Claro que, muitas vezes, a substituição é necessária, porém quando o funcionário apresenta um bom desempenho e possui o perfil desejado para a área que atua, a melhor saída é investir em sua permanência. Além de todo o desgaste financeiro, há outro problema que pode impactar negativamente o andamento da sua clínica: o funcionário vai embora e leva consigo todo o conhecimento com ele. Certamente outro profissional irá assumir a sua posição, porém levará tempo para que ele some toda a experiência na função da mesma maneira que o seu antecessor. Enfim, já deu para entender que a rotatividade é uma grande vilã para a sua clínica e, por isso, investir na retenção de talentos é fundamental. Mas afinal, o que leva um funcionário a pedir demissão? Os motivos podem ser inúmeros e podem estar relacionados à busca de mais qualidade de vida no trabalho, novos desafios e até mesmo, problemas com a liderança. Para entender melhor o que tem levado os seus funcionários a se desligaram da clínica, comece a fazer entrevistas de desligamento. Essa é uma prática muito utilizada no meio empresarial e auxilia os gestores a compreender melhor a percepção do funcionário em relação a gestão e os motivos que o fizeram se desligar da clínica. Não se engane ao pensar que o único motivo que leva alguém a pedir demissão são fatores financeiros. De fato eles fazem parte das principais razões, porém não são as predominantes. Além da remuneração, existem mais 4 pontos que estimulam a rotatividade, são eles: ambiente interno, perspectivas de crescimento, qualidade de vida e relacionamento com o gestor direto. Veja a seguir 4 dicas de retenção de

[E-BOOK] Gestão de talentos: guia básico para reter talentos

18 de julho de 2016
Todo negócio independentemente da área de atuação necessita de pessoas. Sabemos que nem sempre é possível manter bons profissionais dentro da equipe por períodos muito longos, mas se eles realmente fazem a diferença, é necessário fazer algo a mais para a sua permanência no time. A gestão de talentos, além de ser uma importante ação para o funcionário, é também fator primordial para que a empresa não desperdice tempo e dinheiro com rotatividade de pessoal. Sendo assim, deveria fazer parte da estratégia de qualquer negócio. A gestão de talentos faz parte do dia a dia da sua clínica? Os seus melhores talentos são valorizados como deveriam? E a sua equipe, faz parte do propósito de tudo que envolve o seu estabelecimento? Faça o download gratuito desse e-book e entenda melhor como essa importante gestão pode te ajudar a dar um salto no crescimento do seu negócio de saúde.  

A importância da gestão de talentos para clínicas

11 de julho de 2016
Você já ouviu falar em gestão de talentos? Provavelmente você deve conhecer por outro termo, como por exemplo, gestão de pessoas ou de Rh. Mas por que isso é importante para a sua clínica? A gestão de talentos é tida como um importante objetivo estratégico nos dias de hoje, além de ser um excelente meio de diferenciação entre a concorrência, afinal, estamos falando do seu time que lida em tempo integral com o seu público. O objetivo da gestão de talentos vai muito além de ter uma equipe motivada. Sem dúvidas a motivação é fundamental, porém engloba outros fatores. A gestão de talentos visa encontrar e manter as pessoas certas para auxiliar a empresa a alcançar suas metas e, para isso, é tão necessário ter pessoas alinhadas com esse propósito. Encontrar bons profissionais para integrar a sua equipe e fazer parte da engrenagem da sua clínica é um dos grandes desafios encontrados em diversos mercados e, na saúde não é diferente. E o que fazer quando, finalmente, conseguir estruturar uma ótima equipe, com profissionais alinhados e capacitados para exercer as funções que lhes forem designadas? Assim como você, outras clínicas também estão procurando bons talentos para compor o time. Por isso, ter a gestão de talentos como uma das prioridades do negócio é tão importante. Afinal, é através dela que um trabalho interno de valorização será feito, aumentando as chances de manter bons profissionais sempre por perto. O setor administrativo de um estabelecimento de saúde não deve focar apenas em questões burocráticas e operacionais. Além disso, a contratação e, principalmente, a gestão de pessoal é uma tarefa contínua e fundamental para o bom funcionamento da clínica. Para isso, é necessário motivar, engajar, incentivar e organizar ações que fortaleçam o laço entre os colaboradores e o ambiente de trabalho. Você sabe como começar a gestão de talentos em sua clínica? Fazer um trabalho de gestão de talentos não é algo muito complicado, porém merece atenção para que realmente ofereça valor para quem já faz parte da sua equipe e atraia ainda mais talentos para perto de você. São diversas maneiras para atrair e reter talentos, o importante é que, independentemente das ações que a sua clínica irá realizar, o propósito deve ser claro e duradouro. De nada adianta agir esporadicamente, afinal, você quer que os bons talentos permaneçam sem prazo de duração, não é mesmo? Portanto, a gestão de talentos deve ser contínua. Veja a seguir algumas dicas para inserir a gestão de talentos na administração da sua clínica: Reconheça: Você reconhece o trabalho que os funcionários da clínica desempenham? Se a resposta for sim, eles sabem disso? Saber que o seu trabalho está sendo bem feito e que estão notando isso de alguma forma, gera motivação para continuar entregando melhores resultados.  Nesse caso, a clínica não tem nada a perder, muito pelo contrário. Incentive: Por que não incentivar a sua equipe a ir além? O incentivo é uma das formas de expressar a sua satisfação com o trabalho realizado. Oferecer
Load more